CLICK HERE FOR FREE BLOGGER TEMPLATES, LINK BUTTONS AND MORE! »

quinta-feira, agosto 12, 2010

Do lado de fora

A coisa que mais me irrita aqui na Irlanda são as fechaduras. Bom, tem outras tantas coisas que me irritam também, mas hoje eu quero escrever sobre o problema com a fechadura, que foi a última coisa que me irritou.

No Brasil eu nunca ouvi falar de alguém que tenha ficado trancado para fora de casa. Isso porque quando você sai de casa no Brasil precisa usar sua chave para trancá-la. Ou seja, saiu, trancou a porta, levou a chave. A não ser que você perca a tal da chave, ou seja roubado (o que convenhamos, pode acontecer) você não vai chegar em casa e perceber que, oops, não pode entrar.

Simples, né? E olha que nós é que fomos colonizados por Portugueses.

Aqui, por alguma razão que eu desconheço, as portas todas (pelo menos todas as que eu já vi) são automáticas. Fechou, trancou. Sem precisar de chave.



A primeira vez em que eu me dei conta disso eu ainda morava com a família louca de nigerianos para quem eu trabalhava de au pair. E como a Lei de Murphy impera sempre, isso aconteceu na semana em que a família estava de férias em Cork.

E para provar que Murphy não só impera mas é cruel, me tranquei para fora da casa, sem celular, sem bolsa, sem dinheiro, sem nada, a não ser pelo maço de cigarros. O que fazer? Fumar, claro, que era a unica coisa que podia ser feita. Podia chorar também, mas surpreendentemente não o fiz.

Procurei os vizinhos, até então completos desconhecidos, para ver se por acaso eles tinham uma cópia da chave. Não tinham. Nem eu tinha a quantia absurda que o locksmith pediu só para se locomover até Blanchardstown (que os irlandeses consideram um fim de mundo).

No final das contas os vizinhos arrombaram a porta e eu me vi uns €50.00 mais pobre por ter tido que comprar outra fechadura, que foi colocada pelo próprio vizinho gente boa.

Depois dessa eu aprendi a SEMPRE carregar as chaves comigo. A não ser quando saio com I., porque aí eu conto que ELE vai se lembrar das chaves.

De fato ele sempre se lembrou. Até ontem.

Chegamos em casa depois da primeira aula de Ballroom Dancing e percebemos que as chaves, as minhas e as dele, estavam dentro do apartamento.

Tudo o que eu queria era uma chuveirada, mas acabei sentada na grama por meia hora enquanto I. tentava, em vão, pular a janela do quarto (que de tão apertada só permitiria a passagem de a) uma criança magrelinha; b) uma modelo anoréxica; ou c) a Victoria Beckham).

Com sorte a vizinha do apartamento de cima percebeu a tentativa de arrombamento, saiu na janela para ver o que estava acontecendo, e nos deixou entrar no prédio.

Aí foi fácil encontrar o telefone do dono do apartamento e assumir a burrice o lapso, torcendo para que ele não estivesse longe, e tivesse a cópia das chaves.

Vinte minutos depois, chega o pobre coitado (com os filhos dormindo no banco de trás) e um saco enorme de chaves extra. Patronizing como todo bom Irlandês, insistiu em dizer que não tinha problema nenhum, e que ele mesmo já perdeu as contas de quantas vezes fez o mesmo. Foi embora com a promessa de que não vai acontecer de novo.

Para mim sobrou a tarefa de mandar fazer cópias das chaves, a serem espalhadas em locais estratégicos, e aprender que não deveria depender tanto de I. O que vamos combinar, eu já deveria ter aprendido.

N.

6 comentários:

Manu Martins disse...

A porta da minha casa nao eh automatica assim, mas eh cheia de historia pra conseguir trancar, ate hj nao consegui HUAHUAHUAHU


Bjos!

Mr. Lemos disse...

huahuahuahuhua
que sacanagem.
vivo imaginando que isso vai acontecer comigo.já cheguei a sair de bermuda e camiseta durante o inverno pra botar o lixo pra fora, sem grana e sem celular... e comecei a imaginar como seria horrível se a chave tivesse ficado pra trás.
boa sorte na próxima.
bjos

K∂riиє* Smith. disse...

Onde tu morava no Brasil que não tinha porta assim??? hahaha
O meu prédio no Brasil era assim, a diferença é que tinha porteiro e na minha casa empregada, então, eu estava tranquila...

Já aqui, bom, você já deve ter lido minhas histórias sobre...

beijoooo

Nivea Sorensen disse...

Karine, tu é rica. Casa de pobre não tem dessas frescuras não!

Mr. Lemos disse...

huhahuahuhuaa... a minha tb era de pobre....

K∂riиє* Smith. disse...

Antes fosse "riquisse", era por segurança mesmo, sabe como é, Rio 40 graus purgatório da beleza e do caos....